0
No próximo domingo, 02 de setembro, o convidado de Débora Bergamasco no ‘Poder em Foco’ é o ministro de Minas e Energia Moreira Franco. A entrevista também contará com questionamentos feitos pelos jornalistas Luiz Carlos Azedo, colunista do Correio Braziliense; Marina Dias, repórter da Folha de S. Paulo; e Mônica Scaramuzzo, repórter especial de O Estado de S.Paulo. O convidado tratará de temas como energia, o preço da conta de luz, do gás de cozinha, investimentos e política.

Foto: Gabriel Cardoso/SBT

Moreira Franco afirma que o fornecimento de energia cada vez mais é o elemento estratégico mais importante e diz que os preços no Brasil não são justos. “Quem consegue pegar a conta de luz e entender o que está pagando?”, questiona. “É necessário que se coloque luz sobre a composição desse preço. O objetivo, pelo menos o meu, é falar sobre isso. Eu abri esse debate”, completa. Ele sugere que o Brasil poderia pensar na implantação uma tecnologia que permita ao cidadão controlar seus gastos de energia por um aplicativo de celular e frisa: “o imposto sobre a energia é um negócio brutal. Chega a ser inconsequente. Pagar 35% de ICMS?! Sobre um produto essencial. Você não vive sem energia. E você cobrar 35% é você estimular o “gato””. 

A respeito de investigações sobre o presidente Michel Temer, ele comenta: “não existe materialidade, existem delações, suposições”. E conclui: “Diferentemente da Dilma, você não teve ninguém na rua pedindo a saída dele”. E ainda faz uma ressalva: “não é saudável pra um país democrático viver em uma situação em que todos os ex-presidentes estão sendo investigados. O que é mais grave: os futuros candidatos estão começando a entrar na mesma rotina”. Ele também acredita que a questão da privatização da Petrobras seja prematura, diz não achar que o governo “comeu mosca” na questão da paralisação dos caminhoneiros e ressalta a necessidade de se fortalecer a energia eólica, solar e biocombustível. 

PODER EM FOCO
Neste domingo, à meia-noite

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário. Não publicamos neste blog comentários com palavras de baixo calão, denúncias levianas e troca de ofensas entre leitores.